Deixa cá ver se percebi.

As mesmas pessoas que aplaudiram o “brutal aumento de impostos” para quem ganhava mais de 800 euros, as mesmas pessoas que aplaudiram o corte das transferencias sociais que afectou os mais pobres entre os pobres no Governo anterior, essas pessoas agora berram e esperneiam porque alguém falou em tributar imóveis de valor superior a 500 mil euros. É isto, não é?

Advertisements

20 pensamentos sobre “Deixa cá ver se percebi.

  1. Isto, não só é bom para a auto-estima, como devia ser explorado pelo marketing do governo. Os investidores estrangeiros deviam ficar a saber que existe aqui um povo que se levanta contra a aplicação de uma taxa a imóveis de mais de 500 mil euros, como se fossemos um bairro de silicon valley. Como não tardam todos a fazer bicha nos bancos para de lá sair com sacos de notas (já está, por aí em Lisboa?), era uma boa ocasião para umas fotografias.

    Gostar

  2. Genial. Adoro publicitários orgânicos, claro, a seguir aos economistas que vão inventar a bancarrota com aumento de riqueza e diminuição da desigualdade.

    XisPto

    Gostar

    1. Se é orgânico, come-se. Publicitários destes, como as nossas avós plantavam no quintal, já rareiam. E então, XisPto, para quando é que é a bancarrota? Somos tão preguiçosos, que até procrastinamos as bancarrotas. Andor com isso, pessoal.

      Gostar

      1. Claro, é come-los, como as caracoletas acompanhado por vinho francês, nada de preconceitos gramscianos. Há muito tempo que a espécie me fascina, dos resistentes antifascistas (“Pescadinhas de todos os mares, uni-vos!”), ao presente. Chego a vacilar nas minhas velhas crenças de que se limitam a reproduzir a ideologia capitalista dominante.
        Bancarrota? Qual bancarrota? Já virámos a página da austeridade como você defendia e isto vai de vento em popa!

        XisPto

        Gostar

        1. Xis, acha que estou à espera que me reponham numa legislatura o que perdi de rendimentos no último governo, entre cortes diretos e aumentos de impostos? Não. Há uma coisa curiosa: foi assumido pelo último governo que precisávamos de cortes e impostos brutais. Dito e feito. Mas houve lá governo mais honesto e que falasse mais verdade aos portugueses? Mas os mesmos que o implementaram e o defenderam, atacam agora aquela tal fundação (a que era amiga e agora é vendida aos bolcheviques), por se limitar a fazer as contas. É a mesma coisa que um ministro dar instruções e de seguida bater na datilógrafa por lhe transcrever fielmente as suas palavras… está-me a seguir? Portanto, voltando atrás, a civilização é um processo lento.
          Sobre isso da bancarrota, aconselho um truque para não nos empatarmos mais, que até já vi ser utilizado com louvor e aclamação: é dizer que já estamos em bancarrota. Imagine uma bruxa que todos os dias diz a um cliente: amanhã vai ser atropelado por um comboio. Como o homem vive ao pé de um apeadeiro… a bruxa tem esperança de muito em breve ficar conhecida pelo seu extraordinário poder de previsão, com base num complexo sistema de leitura de relatórios escatológicos. Mas o homem lá volta, todos os dias, cada vez mais desconfiado da bruxa. Até que a bruxa, para salvar a reputação, lhe revela que ele já foi mesmo trucidado, está morto e ainda não sabe e publica o acontecimento. O homem, atarantado, lá continua a sua vida, mas não consegue convencer os vizinhos de que não está mesmo morto. O homem desiste, casa com outra falecida, cria filhos, a família é todos os dias cumprimentada pelos vizinhos, muito pesarosos, e a bruxa prospera.

          Gostar

          1. Caramelo, por favor, com um verbo desses e revela-se um anti-austeritário gradualista! Então a austeridade não era um simples truque político imediatamente descartável? Não se recorda de ver o nosso primeiro dizer que tudo se resolvia com o crescimento (o denominador da equação… como disse após 2 anos de silêncio)? Que Você tenha calma e paciência eu percebo, pelo que diz deduzo que tendo já beneficiado das devoluções de direitos não integra o decil dos que perderam mais no estudo do prof Farinha, o dos que perderam o emprego e têm filhos de pouco tendo servido as medidas de política do governo. Mas suponho que também não integra o decil do cozido à portuguesa que já empochou 500 milhôes de IVA, coitados, sem a sua paciência. Como diz muito bem o negócio do prof são números, só números, unicamente rendimento desigual mente distribuído, nada têm a ver com dívida de 2009, um Gini horroroso. O prof não perde tempo com os 130% do PIB que alguém pagará. Pegue na metodologia e vá fazer as contas para a ver a diminuição de desigualdade no fim de 2016. Agente depois fala, estamos no intervalo do primeiro jogo do campeonato.

            XisPto

            Gostar

            1. Xis, eu sou tão anti-austeritário gradualista, como sou anti-parvoeira gradualista. Não há paciência nenhuma e é para acabar já. Mas uma coisa é uma filosofia de vida ou um estado mental avariado, outra coisa são os seus efeitos e nunca ninguém lhe disse que os efeitos da parvoeira acabavam no dia da posse do novo governo. Se algum maluco disse isso, vá-lhe pedir contas a ele. A maioria continua a ter pouco, mas as contas que se fazem é quanto é que cada um perdeu ou ganhou antes e quanto é que cada um perde ou ganha agora. É uma operação aritmética simples, que dispensa o dr. Farinha.

              Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s