O apocalipse aqui ao lado.

A Moody’s afirma que o risco de Portugal ter de pedir um segundo resgate é baixo. Todas as semanas acontece uma destas. E ainda querem que a nossa imprensa prospere.

11 pensamentos sobre “O apocalipse aqui ao lado.

  1. Não prospera? É com esses pequenos nadas que a nossa imprensa engorda e prospera, como aquele fradinho gordo e alegre que fazia sopas de sustância começando apenas com um pequeno calhau. Basta um bocado de manha, uma subespécie meridional da inteligência. Não viu o banquete que se fez com uma simples frase do Centeno que nem vale um caracol? Olha se valesse um caracol, um bichinho humilde da região saloia que aí os lisboetas papam muito com pãozinho e cerveja. Sò o pãozinho inchado do molho já faz um gajo gordo. E essa do resgate é um balde cheio de caracoletas que até dispensa o pãozinho. Só carece de empurrar com uns jarros de vinho.

    Gostar

      1. A caracoleta é o maiorzito, não é? Tá bem, eu também só como os caracóides com cerveja, mas os franceses acompanham com vinho, né? Eu acho que eles até engolem a aspirina com vinho.

        Gostar

        1. Julgo que eles consomem “Le Tylenol” dans un verre d’Evian, como todos os mortais.

          Por falar nisso, comecei a ler Balzac em série. Julgo que você gosta. Já despachei o Ferragus e Le chef-d’oeuvre inconnu. Agora passei para o Père Goriot. Estou a gostar.

          Gostar

          1. Boa escolha para um outono. E no fim o velho… ná, estou a brincar. Eu ando a ler uma obra do Jacques le Goff sobre a Idade Media, claro. Sendo ele um fiel admirador do Michelet, é uma obra que tem tanto de literária como de análise histórica, o que torna a leitura muito agradável. Um bocado o antipoda do Matoso, o asceta. Acabado esse, vou tentar recomeçar, pela centésima vez, porque tem de ser e etc, o Homem e o Rio, do Faulkner, que caiu de propósito da estante quando tirei o outro. Sim, também não percebo a organização temática das estantes, mas eles lá se organizam à maneira deles, sabe deus como.

            Gostar

              1. É justo. Aliás, o labrego do Faulkner começou a escrever por causa do Lobo Antunes. Toda a obra do Faulkner podia chamar-se “Algures no Cu de Judas do Mississipi ou o Caralho”.

                Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s