Notas de campanha (8).

O meu correligionário Sérgio Lavos denuncia aqui uma estratégia dos media que deixa de fora da campanha os pequenos partidos, os que não têm representação parlamentar.

Por pequenos partidos entenda-se, naturalmente, o Livre/Tempo de Avançar, que aprovou o seu programa cidadão (…) sem qualquer cobertura televisiva.

Numa anotação um pouco amarga, o Sérgio reconhece que o sentimento de orfandade tem excepções:

Como ninguém prometeu despir-se na convenção, não estavam lá câmaras para filmar o acontecimento.

Ora, eu não duvido que as câmaras apareceriam se o Rui Tavares tivesse prometido despir-se na convenção, embora duvide que a notoriedade daí resultante favorecesse as suas perspectivas eleitorais.

Parece-me que a estratégia dos media deve preocupar menos o Sérgio do que a estratégia de comunicação do partido.

Ainda não vi um cartaz, um folheto ou uma acção de rua do Livre desde que a pré-campanha começou. Não digo que não existam, digo que não os vi. Como ocupo a minha vida entre a Graça e a Avenida de Roma, suponho que percorro áreas interessantes para a acção política em Lisboa.

A falta de recursos não explica estas coisas. Quem não pode comprar redes de mupis, distribui flyers; quem não tem dinheiro para imprimir, faz marketing de guerrilha. O importante, para os eleitores, é observar provas materiais da determinação de uma equipa.

O Livre comprou umas pizzas para dar aos jornalistas, divulgando, salvo erro, o seu programa eleitoral. O princípio é bom, apesar do mindset Calimero. Mas falta perseguir presencialmente a Páf e concentrar recursos em Lisboa, porque os blogues e o Facebook não elegem deputados.

9 pensamentos sobre “Notas de campanha (8).

  1. Os tempos mudaram. Antigamente, um partido pequeno mostrava a sua virilidade pintando as paredes do mítico eixo Graça-Avenida de Roma, falando ao megafone de uma ponta com força suficiente para se ouvir na outra ou, em dias de vento, lançando flyers que corriam a zona toda. Mas agora as pessoas têm mais consciência ecológica e já não gostam muito disso. Ia ser uma escandaleira entre as tias velhas das avenidas e lá tinham os sobrinhos, descapitalizados e a precisar das heranças, ter de limpar os passeios. Restaria a perseguição presencial, mas não estou a ver o Rui Tavares e o Sá Fernandes a fazer essas coisas.

    Gostar

  2. Eu acho que perderam o comboio em (15 de) Setembro de 2012. Agora já não vão lá nem com os pastéis de massa tenra e os sumos de fruta do Almeida.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s