Melhor assim.

Julguei que o “Da Literatura” ia acabar, mas reformulou-se. Ainda bem. Entre quem escreve blogues suponho que é comum a suspeita de que chegou ao fim, há três ou quatro anos, a era dourada do meio que escolhemos. O diálogo entre autores diminuiu, as estrelas regressaram aos periódicos reconvertidos em plataformas, e as polémicas estiolaram por falta de um território comum. Por mim falo: é para mim um fardo, hoje em dia, ler gente de direita, quanto mais polemizar com ela.

Nada mata o espectáculo como o desdém — e a blogosfera foi acima de tudo um espectáculo. Quero dizer com isto que acabou a função dos blogues? Não, no sentido estrito de um meio que nos permite anotar, e partilhar com um pequeno grupo, uma espécie de palpitação intelectual.

Já não dedico horas a um texto como fazia antes, e isso nota-se, e sei que isso se nota. Mas a falta de investimento pode compensar-se por um pequeno excesso de à-vontade que se assemelha ao das conversas com familiares. É bom estar em família quando não somos muitos.

No seu pico, o Vida Breve chegou a ter quase 900 leitores por dia. Hoje tem 300 ou 400. Prefiro assim.

 

29 pensamentos sobre “Melhor assim.

  1. E eu sou um deles sempre com redobrado prazer.
    Só é pena que estes blogues de esquerda não dêm origem a um jornal de esquerda que tanta falta nos faz

    Gostar

  2. Luís com este leitor pode sempre contar, continua o bom trabalho que leremos e comentaremos.

    Seria interessante ter um jornal de esquerda moderada à la Guardian, que o público tenta ser mas não é, o problema parece-me que é falta de fundos e de arregimentação de tropas. Os “ricos” em Portugal querem é projectos para sacar as rendas do Estado que ainda ninguém sacou e nisso nada como jornais dóceis que dêem a patinha e rebolem à voz do dono português ou africano…

    Gostar

      1. Diz-se por aí que pode haver entrada da Cofina no capital do Observador. Dizem os rumores que assim a Cofina teria um título de segmento mais alto…

        Gostar

  3. Caríssimo, só para lhe dizer que agradecemos muito a pachorra, a arte e as horas.

    Sobre os que clamam por um jornal de esquerda, relembro-lhes que em Portugal nem existem jornais dignos desse nome. Na classe impera o copy-paste das agências noticiosas, o total amadorismo nas redações, a ausência de investigação, correspondentes no estrangeiro, etc., etc. Até as luminárias do meio, que são Ricardo Costa e Nicolau Santos, se mostraram em toda a sua falência profissional, quando embarcaram na história de um burlão diante de todo o país, porque antes haviam cometido o erro mais básico da cartilha periodística, digno de um estagiário principiante: – não verificar a fonte da informação. Se esses são assim, imagine-se a média do que por aí vai….

    Gostar

  4. Lá pelo PdC, não houve perda de “audiência”. Antes pelo contrário.

    Já quanto ao “jornal” (de “esquerda”, “esquerda moderada” ou, simplesmente, com os neurónios em actividade), é capaz de ser só uma questão de criar um coiso – não me peçam mais rigor na designação, não chego lá – no qual se verteriam todos os posts dos vários blogs individuais que os respectivos autores achassem pertinentes. Ou textos originais exclusivos do “coiso”.

    Gostar

    1. “Lá pelo PdC, não houve perda de “audiência”. Antes pelo contrário.”

      Porque você é um tipo espectacular.

      Quanto ao “Coiso”, podíamos chamar-lhe “Guilhotina” ou assim.

      Gostar

      1. “Porque você é um tipo espectacular”

        Isso já se sabe.🙂

        Mas estava só a contrapor um exemplo que não confirmará a regra (é mesmo regra ou só “impressão”?… no mítico “lá fora” continua a tropeçar-se em blogs de tudo e mais alguma coisa…)

        E “Guilhotina” parece-me muito bem.

        Gostar

          1. Nisto de blogues, o que está a dar e dará sempre, em todo o lado, são os blogues especializados. Culinária, moda, coleções de selos do Suriname, debates sobre revolveres calibre 38, como reconstruir o califado em três passos e as relações tumultuosas entre a barbie e o ken, etc.

            Gostar

              1. Era cor de rosa, tinha um gatinho e começava assim: “Minha amiga, eu e o meu píruças vimos explicar-lhe o que é o marketing”? Não? Lá está. Um blog sobre marketing tem de se saber vender. Tem de se transformar o marketing numa tara, um vicio incontrolável, que dê vontade de consumir pela noite fora.

                Gostar

  5. Corria uma história infantil ainda há pouco tempo de que todos podíamos ser opinion makers e repórteres, bastava abrir um blog, e os jornais iam acabar. É claro que isto era um mito, que as coisas voltaram ao sítio de onde nunca sairam, e que os blogues neste momento comentam sobretudo o que se lê nos jornais, para onde emigraram os bloguistas da tal “era dourada”, e nisto nada mudou desde o século XIX. É uma questão de credibilidade. Mesmo entre os jornais existe uma hierarquia e o Observador, enquanto não tiver uma tiragem em papel de pelo menos dez exemplares vendidos num quiosque, não vai ser lido da mesma maneira do que o Público, esse sim, uma institution de la republique, respeitável, que tem a mesma medida de esquerda que o café num galão clarinho, o suficiente para dar uma pequena excitaçãozinha às senhoras. Eu não consigo comentar em jornais, até porque os articulistas não são obrigados por contrato a ler os comentários, quanto mais a respondê-los. Pode-se muito bem chamar filho da puta a um cronista, que ele não vai ligar nenhuma, o que é frustante para um troll com algum amor próprio. Continuarei por aqui e estou bem.
    Um Guardian português era bom, era, mas aquilo é outro campeonato, meios tecnológicos, secções, quantidade e variedade de comentadores, jornalistas, paquetes e mulheres a dias. Pode lá ir-se dez vezes ao dia e ler-se dez jornais.

    Gostar

  6. Caro Luís, assino por baixo: «[…] a falta de investimento pode compensar-se por um pequeno excesso de à-vontade que se assemelha ao das conversas com familiares. É bom estar em família quando não somos muitos.» É isso mesmo. Eu não diria melhor.

    Gostar

  7. Por falar nisso, quando andava no liceu tinha uma disciplina de Marketing e Publicidade, que deve ter sido cunha dos lobistas do marketing no ministério, com um manual de um tal Whitaker Penteado. Nunca mais me esqueci do nome. O Luís Jorge conhece? Ainda é vivo?

    Gostar

    1. Não, caramelo, mas isso não quer dizer nada. Desconheço o pessoal do marketing em Portugal. No outro dia comprei o “Mercator” pela primeira vez na vida. Arrependi-me um bocadinho.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s