Mais coisas que não interessam para nada.

(…) estamos perante um país diferente daquele que existia em 2011 (…) por conta da execução de um programa ideológico por parte do actual Governo que, sem o ter assumido antes de ser eleito, queria alterar os equilíbrios sociais. Vamos a quatro factos:

1 – Com uma excepção, em 1988, há 50 anos que a percentagem da riqueza nacional afecta a salários não era tão baixa como em 2014. Quando se discute se era ou não verdade que o Governo estava a empobrecer quem trabalha, fica aqui a resposta. Sim. Menos pessoas a trabalhar, e as que trabalham estão a receber menos. E não foi uma baixa menor: este valor caiu qualquer coisa como 2,5% do PIB desde 2011.

2 – A isto acresce a opção política de fazer recair os aumentos de impostos quase exclusivamente sobre as famílias, com parte desse aumento a nada ter a ver com a crise, mas sim com a opção de não pedir igual contributo às empresas. Basta olhar para as propostas de Orçamento de estado de 2012 a 2015. A receita de IRS aumenta de 9,3 para 13,1 mil milhões ou quase 50%. A de IRC diminui de 4,7 para 4,6 mil milhões. Ficamos conversados.

3 – Consequências? Portugal voltou aos níveis de pobreza e exclusão social de há dez anos. E a desigualdade na distribuição de rendimentos agravou-se. Há mais pobres e mais pessoas em risco de exclusão social. Fruto de tudo isto, o elevador social partiu-se de vez: não só temos mais pobres como quem é pobre está mais longe de conseguir deixar de o ser. E a natalidade, tantas vezes promovida no discurso político? Bom, as famílias com maior risco de pobreza são as que têm menores a cargos, com destaque para as monoparentais. Nada que tenha impedido a demagogia em torno do Rendimento Social de Inserção, por exemplo.

4 – Convém destacar, à parte, os dados sobre as crianças. Foi na população infantil que se registou o maior aumento do risco de pobreza ou exclusão social, sendo esse valor hoje de uns assustadores 31,6%. Uma em cada três das nossas crianças estão, hoje, agora, em risco de pobreza. Se isto não é a definição de prioridade política não sei o que será. (…)

Um país diferente, aqui.

7 pensamentos sobre “Mais coisas que não interessam para nada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s