Very good.

A questão é que Oliveira Martins escreve como um dos precursores de um estilo que hoje é corrente em Portugal — o do ex-revolucionário que se converte em misantropo — e que de certa forma tingiu toda a nossa forma de olhar para o país, para as nossas vidas e as dos nossos concidadãos. Se nenhuma motivação é louvável, nenhuma explicação é possível, nenhuma solução é plausível. Os portugueses vivem “no” seu tempo, ou seja, presos por ele.

Na crónica do Rui Tavares, aqui.

Anúncios

6 pensamentos sobre “Very good.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s