Somos tão tolinhos, graças a deus.

Os gebos da direita continuam a enquadrar os problemas com a eficiência do costume. Agora assumem que o único pecado de Pedro Passos Coelho foi o de ter recebido em pagamento meia-dúzia de almoçaradas há vinte anos (quando “toda a gente recebia”), ou então ficam calados para não espantarem a caça. Enquanto o Correio da Manhã não  exibe os crimes horrendos da mãe do Costa, as alusões da blogosfera alcoviteira soam a estucha requentada. Melhores tempos virão. Corta para o Rui Tavares, que ninguém  cita por motivos evidentes:

Os mesmos comentadores que repetem a frase sobre a mulher de César são os primeiros a baixar as armas para o marido dela. Aí, a regra parece ser: César não tem que sério, César não precisa de parecer sério e, para mais, já toda a gente percebeu que César não é de todo sério. César só precisa de cara de pau e uma história qualquer.

É o que se está neste momento a passar com Pedro Passos Coelho. O atual primeiro-ministro não está a ser sério em relação ao seu passado na Tecnoforma; não está sequer a parecer sério. Mas com alguma lata e algo para dizer, Pedro Passos Coelho pode escapar-se.

Nos anos 90, Pedro Passos Coelho já colaborava com a Tecnoforma, a ponto de ser fundador e presidente da ONG da empresa. Este facto foi omitido das declarações à Assembleia da República, de que Passos Coelho era deputado. Não se sabe que fazia esta ONG; aparentemente, em três anos, nada. (…) o episódio da formação de inexistentes funcionários para semi-existentes aeródromos da zona centro, com o qual a Tecnoforma pôs uns milhões comunitários ao bolso, seria hilariante se não fosse trágico. É inevitável olhar para aquela cultura empresarial e política e ver nela o catálogo dos nossos mais vergonhosos erros: do desperdício de fundos comunitários aos abusos das redes de influência, das escapatórias fiscais às mentiras e encobrimentos. Passos Coelhos foi comparticipante, voluntário e autor de toda essa vergonha.

Pedro Passos Coelho colaborou com uma empresa sem comunicar tal facto ao parlamento, participou de ações dessa empresa que se destinava a obter fundos comunitários para projetos inexistentes ou, na melhor das hipóteses, semi-existentes, e foi presidente de uma ONG de cooperação que nunca cooperou nada que se visse, e que provavelmente nunca teve tal intenção. E isso sem entrar na questão ainda por responder de quanto dinheiro recebeu ele, direta ou indiretamente, por trabalho que parece ter sido pouco mais do que nada.

Não se sabe ainda se Pedro Passos Coelho cometeu um crime ou vários, mas sabe-se que participou em algumas das mais perniciosas práticas da política e da economia no Portugal dos anos 90.

Dá vontade de rir, o desespero da trupe.

 

Anúncios

8 pensamentos sobre “Somos tão tolinhos, graças a deus.

  1. A credibilidade anda a ser testada todos os dias http://www.publico.pt/local/noticia/antonio-costa-aprovou-projectos-do-hospital-da-luz-antes-do-novo-plano-estar-em-vigor-1671582 (frete de Manuel Salgado ao primo ex-DDT?), há também a sexta pessoa http://observador.pt/2014/10/02/houve-outra-pessoa-receber-parte-dos-30-milhoes-pagos-escom/ e uns Pandur http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/politica/detalhe/justica_aperta_negocio_de_portas.html

    O Director do CM ser amigo de Relvas, com certeza, não tem nada a ver com isto…

    Engraçado como tudo surge oportunamente, depois de um piscar de olho. http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=4151698

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s