Bis bald.

A cena berlinense — lojas vintage, comida orgânica, cappuccino e wi-fi — nunca me impressionou. Nestas avaliações adapto o conceito de terroir, e custa-me ver uma capital da Europa perder as arestas para ganhar no layout, que é sempre o refúgio de um gosto inseguro. Preferia que Berlim se parecesse mais com a Alemanha em vez de imitar Sidney e Nova Iorque, embora compreenda que existam motivos históricos para o anestésico. E dá sempre jeito atrair dondocas brasileiras, o que não se faz com salsichas wienerwurst.

A cidade defendeu-se bem, porque os indígenas não são parvos. Em primeiro lugar criou uma espécie de centro trendy para consumo turístico — o Mitte — onde quase não existem alemães. É aí que o aspirante a estilista se imagina chique e modernaço enquanto os pais vão visitar o Kadewe.

A seguir espalhou o comércio interessante por áreas longínquas, sem amenidades hoteleiras, de modo a proteger os locais de hordas deslumbradas. Quer isto dizer que Berlim não se visita numa semana, mas em seis meses.

Eu nutro uma simpatia rara pelos habitantes da cidade. É gente simples, dada a prazeres discretos, com a cortesia dos grandes leitores. Educam crianças tranquilas e respeitam o dinheiro. Dá-me prazer observá-los enquanto tomam o brunch ao domingo ou regateiam cadeiras em Mauerpark.

Das grandes cidades do mundo, Berlim talvez seja a mais doméstica. Nisso, a sua identidade não se perdeu.

Anúncios

7 pensamentos sobre “Bis bald.

  1. Ía muitas vezes a Berlim; fui muito feliz, como uma Heidi debochada e tatuada, em Kreutzberg. Uma vez acordei bêbado em Treptower Park à noite, às escuras, e pensei que estava na Ilha de Páscoa. Doutra, passando diante de um cinema ao ar livre à beira do Spree, onde se exibia uma cauboiada tailandesa gay, atira-me o tipo da bilheteira: -“Estou a ouvir aí tugas, cum caralho! (sic)”. Numa relote de currywurst em Friedrichshain, certo fim de tarde, um turco retinto batia num polaco, vociferendo que o eslavo devia ir para a sua terra. Outra jornada, outro Verão, jogando pingue-pongue à beira do Spree, tive diante de mim a alegoria completa do burgo boche: numa margem, dentro de um edifício em tijolo encarnado cuja fachada se rasgava em amplas janelas, hordas de tipos engravatados e descalços faziam exercícios de “team building”, subindo cordas, saltando ao eixo, dando cabalhotas, em suma, o que seriam os nossos fins-de-semana, caso o Eixo tem arrebatado o Velho Continente. Na margem exactamente oposta, uma massa de gente em cuecas, arrastando-se pelo chão, ao som de algo inenarrável, vomitando o que havia consumido durante a festa, que já durava – disseram-me – havia 3 dias. Este cenário reflectia-se nas enormes vidraças do edifício em frente, onde os iupes se recreavam.
    É uma cidade fixe.

    Gostar

  2. A “cena berlinense” vai bem para lá do Mitte. Há já uma série de anos que Prenzlauer Berg é destino de artistas e lojas freak. E Kreuzberg já não é só local de bistros turcos. Quanto à arquitectura moderna, multiplicada nos últimos anos, fica a sensação que não encaixa completamente naquela cidade… um pouco como aquela cúpula de vidro no Reichstag, não bate a bota com a perdigota.

    Gostar

  3. Mas retomar aquele cosmopolitismo plural e bem consolidado de há cem anos, isso, meu caro, só com mais cinquenta, cem anos ou nunca.

    Gostar

  4. Ontem um garoto recitou-me um poema. Era qualquer coisa como chegou de viagem; ….com a Primavera. O título era “andorinha”.
    Aplica-se aqui: chegou de viagem no primeiro dia de primavera, escreveu um post como um não berlinense conhece Berlim como a palma da mão. O título é “Luís”.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s