Ficha de leitura: “The Sense of an Ending”, Julian Barnes.

Agatha Christie (ora aqui está um nome que nunca encontrarão em blogs literários) queixava-se daqueles policiais da concorrência em que um testemunho resolvia o crime na página 200 sem que existissem boas razões para que ele não nos fosse servido na página 5. The Sense of an Ending tem o mesmo problema: o segredo de família ocultado por Verónica numa espécie de desafio um pouco tolo à adivinhação do protagonista só lá está para que a novela não se transforme num conto, e dos sucintos. Depois há o fim: surpreende, mas não satisfaz. Ou melhor, para funcionar teria de ser dramatizado em vez de narrado neste registo nostálgico um pouco redondo — só que dramatizar misérias familiares dá muito trabalho, e tem a desvantagem de aguçar o espírito crítico do leitor para as inconsistências assim despojadas do manto anestesiante das belas letras.

No fundo é um livro simples que se escreve em seis meses e se lê em três horas, sem querer com isto afirmar que deitei o meu dinheiro à rua. Ganhou o Booker — mas o Booker nunca foi assim uma Brastemp.

Anúncios

13 pensamentos sobre “Ficha de leitura: “The Sense of an Ending”, Julian Barnes.

  1. Uau!… Depois da Morgada, é a 2ª personalidade blogolusa que demonstra um nível superior de cultura capaz de incluir num texto a expressão “nunca foi assim uma Brastemp”. Não é para todos.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s