O debate.

Que Manuel Alegre nada tem na cabeça é uma revelação tardia para quem acompanhou as anteriores incursões do bardo na alta política. A estratégia da candidatura — defender a pátria da fúria dos mercados, resguardar o estado social — nem era má; mas exigia alguém que a executasse com talento. O perfil do candidato — uma alminha impoluta, um independente do PS — tinha sentido, mas dispensava a incarnação de um poetastro oco e egotista.

Havia mais gente adequada à estratégia e ao perfil? Havia, pois.

32 pensamentos sobre “O debate.

  1. Havia pois o Vital Moreira; infelizmente já não disponível, colocado estrategicamente que foi para cutucar na união europeia.

    Gostar

  2. Uma péssima campanha, mas, bem vistas as coisas, nenhum candidato esteve a um nível minimamente aceitável — excepto, talvez, o do PCP, mas apenas, como é habitual, para efeitos de ‘consumo interno’. Será a primeira vez que votarei em branco nas eleições presidenciais.

    (Com todo o respeito pela Ana, pior do que o Alegre, em quem, desgraçadamente, já votei, só o Vital. Ó Ana, então não viu a desgraça que foi a campanha para o Parlamento Europeu?)

    Gostar

    1. Não creio, Lourenço. Eu não pus nomes no post porque qualquer nome exige um enquadramento e muita imaginação dos leitores — estamos a falar de gente nova. Mas imagine este perfil: uma mulher (lembre-se da Clinton), de uma honestidade a toda a prova, conhecida e admirada pelo povo, jurista (ou seja, capaz de ler uma constituição), de fora da política mas habituada a gerir equipas, a lidar com o poder e mesmo assim a obter resultados. Dois anos antes da campanha lançava-se o nome para habituar o público à ideia. O seu discurso seria institucional, porque não queremos uma vingadora, mas teria uma carga simbólica forte: Maria José Morgado, por exemplo. Julga que não tinha mais adesão que o bardo?

      Gostar

      1. Ah, Luís, o perfil parece-me óptimo, mas o nome não: por muito que simpatize com MJM, há sempre qualquer coisa de pecaminoso nesses saltos da justiça para a política.

        Gostar

  3. Cheguei aqui porque me enviaram um excerto do texto, inteligente e bem escrito, sobre a “orgia salazarenta” e queria conhecê-lo na totalidade, bem como a sua origem.
    Tudo encontrado, resolvi explorar um pouco mais o blogue. E dou de caras com as observações sobre Manuel Alegre. Em geral, nada a dizer, independentemente de estar ou não de acordo com tudo o que é dito (tais coincidências raramente têm lugar e, naturalmente, não é isso que procuro: seria uma tolice). Mas, no caso, nem sou apoiante, nem simpatizante de Alegre, do ponto de vista político ou pessoal, o que facilitaria a minha aceitação ou compreensão, perante observações desagradáveis sobre o “candidato”.
    Era, enfim, blogue para visitar (ocasionalmente, pois não sou grande frequentador dos ditos e tenho mais com que me ocupar).
    O “poetastro”, porém, estragou tudo…
    Alegre pode ser uma peste, um apocalíptico cavaleiro, inclusive um dos anjos terríveis que abrem, sem piedade, os selos fatais. Mas não é um “poetastro”… É um poeta, cuja obra mais notável nem estará nos já notáveis textos “de resistência”, mas numa produção mais tardia e depurada. Até se pode não gostar, que o “gosto” é ainda “uma outra coisa”: daí a não reconhecer o seu valor literário vai uma distância abissal. João Bénard da Costa explicou muito bem estes porquês (noutro campo cultural, mas aplicável a qualquer deles), a propósito das “Recordações da Casa Amarela”, embora os seus jovens colegas, críticos de cinema do “Independente”, não tenham (jamais?) percebido a lição.
    Seria o mesmo que avaliar a produção literária de Vasco Graça Moura, sobretudo a poética, de elevado nível, a partir do lugar definido pelas suas crónicas políticas e pela ideologia subjacente…
    É lamentável confundir estas coisas; ou não possuir instrumentos culturais para fazer uma avaliação literária ou artística, quando é disso – e só disso – que se trata.
    E é pena, quando parece encontrar-se um comentador interessante e que escreve escorreitamente, com humor inteligente – tudo características sempre bem-vindas – levar logo com um aviso de “pare, escute e olhe!”… que a inteligência por aqui tem limites, ou especificidades… e pode ser colhido por um “rápido” desgovernado…

    Gostar

    1. Pois: mas por falar em inteligência, o João Bénard da Costa não era um Paulo Rato. Quando você apresentar aqui um texto como o que refere, talvez me convença a respeitar esses pruridos de interposta pessoa. Até lá, continuarei a não gostar do “político” e do “poeta” em doses equivalentes e a cagar de alto para os comentadores que me “reprovam” por esse motivo ou por outra inanidade qualquer.

      Gostar

  4. 1-Rato é um nome muito apropriado para ssinar o texto em questão.
    2- Maria José Morgado!?. Pelas alminhas… Essa “Santinaha da Ladeira” é o Octávio Machado da Justiça.

    Gostar

  5. Lá tive de voltar ao blogue! Para confirmar que ganhara uma aposta que um amigo meu insistiu que com ele fizesse: que o valentíssimo e eruditíssimo e sapientíssimo e, enfim, ‘xtrórdinário Luís… não iria publicar a minha “resposta” à sua resposta ao meu comentário, impedindo – que maldade, Luís! – os seus devotos de se zangarem ainda mais comigo, de botarem mais umas finíssimas (mas embotadas) graçolas sobre o meu apelido e, enfim, defendendo-se de um eventual desaire – impossível, homem, com admiradores tão beatos!… Mas não fosse o Diabo tecê-las… Não é, ganda Luís?
    Mais valia que, usando o seu inquestionável direito de “edição”, não tivesse dado a conhecer o meu comentário inicial. Assim, a não edição da resposta à resposta já não teria “Censura” como nome de família…
    E pronto, desta vez é que não volto mesmo. Não faço mais apostas. Mas vou cobrar o jantarito ao meu amigo. Divirta-se e cultive-se (se conseguir), Luís. Não me despeço dos outros, porque também não vão ficar a conhecer este textinho…

    Gostar

  6. Rato, meu rapaz, não te abespinhes. Olha o refluxo gástrico. Não há qualquer censura ao nome da família, que é, por certo, muito respeitável. O que se passa é que V.Ex.ª, à semelhança do deputado Diogo Feio (com i e não y), faz jus ao nome que ostenta. Um ano cheio de saúde e bem-estar.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s