Enfim, o legado.

A Câmara de Lisboa encomendou um Plano de Pormenor para a urbanização da Matinha ao gabinete de arquitectura do vereador Manuel Salgado. Ou melhor, ao gabinete de arquitectura que foi do vereador Manuel Salgado, mas já não é — porque estamos entre gente de bem. Agora, o gabinete pertence ao filho do vereador Manuel Salgado.

Notem a indiferença, leitores. A indiferença: o derradeiro legado de José Sócrates.

19 pensamentos sobre “Enfim, o legado.

  1. Plenamente de acordo com a caracterização do legado que ficará destes tempos. Contudo, não diria que é de Sócrates a responsabilidade; ou, para ser mais preciso, não é só ou essencialmente dele.

    Gostar

  2. Como ‘mestre de cerimónias’, é (também) responsabilidade dele que situações destas continuem a existir, impunemente; mas, não é responsabilidade dele que os cidadãos permaneçam indiferentes. Acho que pensar o contrário é ter uma visão paternalista das pessoas, que eu não partilho – os cidadãos são os principais responsáveis por se alhearem da forma como a coisa pública é gerida.

    Gostar

    1. Tem razão Carlos Azevedo. O paternalismo é próprio duma cidadania menor e característico de regimes populistas ou autoritários. Afinal, não foi o Estado Novo o expoente do paternalismo?
      Os representantes vão até onde os representados permitem. E se não chegarem os meios da democracia indirecta (representativa), há outros, como a democracia participativa e os recursos da sociedade civil. O problema é que ninguém sabe onde esta mora…

      Gostar

  3. Os 3 nossos males:
    1) capelinhas
    2) corrupção
    3) avacalhamento do espírito de serviço…
    Aqui estamos no item 1) … Que quem não der palmadinhas em costas camaradas não terá futuro político-dinheirinho… Nem irá a lado nenhum.

    Gostar

  4. Caro Luís,

    A encomenda é de 2005. Antes ainda de Manuel Salgado se ter envolvido na campanha de Manuel Maria Carrilho.

    Quando foi eleito, Salgado emitiu um comunicado com a listagem de todos os projectos do Risco em curso na CML (eram cerca de 30, se não me engano), e convocou todos os media a monitorizá-los. O compromisso que assumiu na altura foi o de o Risco deixar de aceitar a partir de aí novas encomendas para Lisboa, sendo que continuariam a trabalhar naquelas que se encontravam em curso à data.

    O filho de Manuel Salgado há muito que ocupa um lugar de “número 2”, não foi uma situação que nasceu com a ida de Salgado para a CML.

    Podemos criticar esta vereação por muita coisa, mas não por isto.

    Abraço

    (Não tenho nenhuma ligação ao Risco, só quis corrigir um erro do post: o trabalho não foi encomendado ao gabinete do vereador – o que, aliás, seria ilegal.)

    Gostar

    1. Muito fácil de resolver: Manuel Salgado não concorria à vereação da Câmara onde tinha vários projectos pendentes de aprovação ou em execução!
      O problema é esse mesmo: achamos que é tudo normal, que podemos concorrer a tudo, ocupar vários lugares, defender todos os interesses, que nunca estamos impedidos, que as acumulações são aceitáveis, que ninguém está obrigado a explicar nada…
      Tudo bons rapazes, afinal! “E o ruim sou eu!”

      Gostar

  5. Nossos verdadeiros males:
    1º) Capelinhas e Lobbies.
    2º) Corrupção.
    3º) Adulteramento do «serviço…»
    Neste caso, supra postado, trata-se do primeiro dos três enumerados «males».
    Quem não der meigas palmadinha a costas camaraddas não irá a lado nenhum em matéria de dinheirinho ou de política.
    Vale!

    Gostar

  6. Amigos quer queiram quer não queiram são sempre os mesmos, e ninguém é responsabilizado por este crimes, negocios ….. nem sei como descrever, já são tantos.
    Amigos, primos, netos, filhos …………….
    Aqui á gato……….e mais qualquer coisa ……..

    Gostar

  7. Caro Luís,
    O parecer do Lourenço, até ser demonstrado algo que “se saiba”, tem toda a minha concordância relativamente a este caso.
    Essa do “há coisas que eu sei que você não sabe. E fiquemos por aqui.” dá azo a muita coisa e não credibiliza o sua insinuação/opinião. Pede que tenha fé em si, quando nem em Deus acredito.

    Abraço

    Gostar

  8. Caro Luis,

    No meu entender a parte mais interessante do teu post é a menos comentada.

    O caso do atelier de Manuel Salgado é um caso, entre outros, que pode e deve ser discutido. Apesar dos diferentes juízos acerca da correcção ética ou não do comportamento o caso ficará na espuma dos dias.

    A indiferença como legado tem uma importância incomensuravelmente superior. Pensar e aferir até que ponto essa atitude ficará inscrita na nossa praxis isso sim preocupa-me. Pensar sobre isso entristece-me ou faz-me esboçar um sorriso irónico. A decadência de uma civilização oscila sempre entre a tragédia e a comédia.

    Um abraço,

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s