A explicação da asneira.

labourisntworking

Um exemplo clássico de reposicionamento dos incumbentes.

 

Mário Soares, que não costuma enganar-se nestas coisas, foi dos primeiros a notar que a escolha de António Preto constituia um erro político irreparável. Vale a pena explicar porquê.

O PSD chegou a esta campanha eleitoral com o estatuto de challenger, encorajado pelos bons resultados das europeias. Tinha a seu favor um posicionamento engenhoso, sintetizado na fórmula Política de Verdade: contra a propaganda do PS, os portugueses podiam confiar na frugalidade de Manuela Ferreira Leite. Contra as alucinações ruinosas do dirigismo socialista, propunha-se o amável reconforto das pequenas e médias empresas, escolas de sobrevivência erigidas em reserva moral da nação. 

Infelizmente isto não chega para ganhar eleições: os portugueses toleram doses copiosas de propaganda, e preferem que o Governo faça alguma coisa a que o Governo os deixe em paz. Para triunfar nas legislativas, o PSD necessitava também de reposicionar o Partido Socialista —  caracterizá-lo em tons carregados, que fossem um contraponto negativo da honestidade que propunha aos eleitores. 

Ou seja, o PS tinha que ser catalogado como um partido de ladrões que se banqueteavam com os despojos do país em ruínas, distribuindo empreitadas faraónicas aos amigalhaços da Mota-Engil  enquanto bebiam do fino nos terraços elegantes de um gabinete ministerial — lá fora, as classes médias gemiam de fome. Menos que isto seria excesso de prudência.

Reposicionar o incumbente é uma função essencial da estratégia política. Foi assim que Margaret Tatcher humilhou os trabalhistas. Foi assim que Mário Soares derrotou Freitas do Amaral — asociando-o à memória ainda fresca do fascismo. Este senhor explica bem as subtilezas do processo.

Mas as exigências mínimas de qualquer reposicionamento são a credibilidade e a diferenciação. Tatcher derrotou os trabalhistas porque propunha uma forma plausível de anti-trabalhismo. Soares pôde associar Freitas do Amaral ao Estado Novo, porque tinha sido um opositor do Estado Novo. Para caracterizar o PS como um partido de ladrões, Ferreira Leite precisava de uma lista repleta de apoiantes impolutos. 

A conclusão do meu post é a seguinte: ao colocar António Preto nas listas de candidatos, Ferreira Leite não cometeu apenas um erro grave, mas dois. Para além de lesar o novo posicionamento do seu partido, também comprometeu o reposicionamento do Partido Socialista, de que necessitava em absoluto para vencer. O efeito combinado destes dois erros pode ser avassalador.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s