36 horas em Lisboa com o New York Times.

26021065
Um tranquilo restaurante à beira-rio, ainda sem vista para uma parede.

As nossas praias podem estar perdidas para  o mundo civilizado, mas Lisboa continua a atrair a imprensa internacional. O New York Times esteve aqui antes da greve do lixo e da falência do Bairro Alto em horário burguês. Entusiasmada, a jornalista Elaine Sciolino elogia o playful side da capital portuguesa, com as suas lojas de design e os ambientes nocturnos em que as pessoas se comportam jovialmente. Na próxima visita talvez consigamos deliciá-la com as amenidades de um novíssimo terminal de contentores entre o Museu de Arte Antiga e os pastéis de Belém.

9 pensamentos sobre “36 horas em Lisboa com o New York Times.

  1. …. e o largo de Camões decorado com belíssimos modelos de furgonetas da Polícia de Intervenção, que zela pela integridade do Bairro Alto depois das duas da manhã.

    Gostar

  2. Estou em Lisboa, Luis, e no outro dia fui passear ao Bairro Alto. Está triste a coisa. As pessoas estão preocupadas com o futuro do comércio e com a segurança. É que, goste-se ou não do Bairro Alto, foi a animação, a frequência em massa das pessoas que impulsionou a regeneração daquele espaço e afastou a criminalidade mais violenta.

    Também vão escasseando cafés que se mantenham abertos depois das 22. Que depressão..

    Gostar

  3. E para além dos bares está o pequeno comércio que floresceu, a situação imobiliária previligiada… estou mesmo a ver aquilo ficar transformado num Intendente, ou voltar aos obscuros anos 90…

    Gostar

  4. Então vamos abrir bares e bairros altos um pouco por toda a lisboa. Todas as zonas tinham a beneficiar, certamente, se calhar até aquelas onde os senhores vivem com os vossos filhos que se calhar até gostam de conseguir dormir sem gritarias às 3 da manhã.

    Gostar

  5. Se o João estivesse um pouco mais atento ao que se diz, saberia que os moradores do Bairro Alto estão entre os opositores mais acérrimos a esta medida. Preocupa-os, mais do que o ruído (a ocupação por locais de diversão nocturna do Bairro é secular), a insegurança, o fecho do pequeno comércio e a fuga de toda essa malta que se pela por alugar um T0 por um balúrdio…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s